Artigos

A AEERJ ocupa espaço na imprensa brasileira para apresentar as reivindicações das construtoras de obras públicas do Rio de Janeiro, expressar críticas e transmitir sugestões ao poder público com relação a assuntos de infraestrutura e educação.

Leia aqui alguns artigos que refletem a opinião da Associação.

Sugestões, dúvidas e críticas pelo e-mail: comunicacao@aeerj.org.br

Localize:
« Página 1: registro 1 a 30 de 140
2016
A culpa de cada um
03/03/2016
O Globo - Opinião - 03/Mar/2016

A culpa de cada um

Francis Bogossian

O Brasil está atravessando uma crise de proporções catastróficas, após ter retomado o desenvolvimento no início deste século. O País levou décadas para se reerguer depois da grave recessão dos anos 80 e, quando acreditava que seria a estrela dos países emergentes, voltou a submergir. No período de bonança desperdiçamos os ganhos e não atacamos os reais motivos que impedem nosso crescimento. As reformas administrativa, política, trabalhista, fiscal e da previdência social não saem do papel deste o fim da ditadura.

É nos momentos de crise que temos de somar forças: políticos e sociedade civil precisam se unir agora e promover uma mudança radical no país além dos interesses político-partidários e pessoais. Pensar no Brasil e não ficar “cada um no seu quadrado”. Todos somos culpados do que está acontecendo. Os políticos, oposição e governo não se empenharam como deviam, pensando primeiro em se manter no poder e, por último, no bem do país. A sociedade civil é culpada porque não exigiu as mudanças!

No setor privado, as exigências legais empurram cada dia mais trabalhadores para a informalidade e os mais qualificados se transformam em pessoas jurídicas para manter ou não perder empregos. Atualmente, mais de 40% da população economicamente ativa está na informalidade. Se as regras fossem mais flexíveis e menos onerosas para as empresas o número de trabalhadores formais seria bem maior.

Os sistemas tributário e trabalhista são de tal ordem intrincados no Brasil que encarecem sobremaneira os produtos e serviços produzidos no país. Isso faz sentido? Precisamos aproveitar este momento, reduzir a quantidade de impostos e facilitar a arrecadação.

O número de municípios no Brasil triplicou a partir da década de 1990. Todos recebem uma parcela do Fundo de Participação dos Municípios. Grande parte não tem arrecadação própria mas tem prefeito e vereadores remunerados com recursos que deveriam ser destinados à educação, saúde, infraestrutura e segurança. Isso faz sentido? “Dinheiro que entra fácil também sai fácil”, diz o ditado popular.

O país cresceu e o nível de escolaridade da população melhorou muito. Os meios de comunicação e a internet levam informação a todos. O Brasil é um país de empreendedores. Se os governos, ao invés de tentarem proteger uns e outros, criassem facilidades para que se possa trabalhar e ganhar dinheiro, o país poderia seguir a trilha do crescimento sustentável.

O Brasil é um país democrático e as instituições funcionam. Facilitar a vida dos cidadãos e puni-los quando desrespeitarem as leis é muito mais sensato do que criar milhões de leis, que não se consegue cumprir, para as quais existem um milhão de interpretações e só contribuem para criar ‘jeitinhos” que não beneficiam nem o poder público, nem a população.

É hora de mudar. Governo e partidos políticos precisam trabalhar juntos para que a país volte a crescer. Acabar com as benesses e investir em produtividade é o único caminho possível.

Francis Bogossian é presidente do Conselho Consultivo da AEERJ-  Associação das Empresas de Engenharia do Rio de Janeiro

2015
2014
2013
2012
 
00:00:02 Alterar a senha | , sair Valid XHTML 1.0 Transitional